Seu ventilador é seguro?

Seu ventilador é seguro?

Em 2011 o IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) apresentou um estudo com relação à segurança ao ver que esta forma mais barata de se refrescar é um bem de consumo muito usado pelo mundo.
Os maiores riscos apontados é o contato com as hélices e com o mecanismo de oscilação (que permite a movimentação do aparelho), permitido por frestas com espaço suficiente para entrar um dedo de um adulto.

“Os acidentes decorrentes de tais falhas podem acontecer facilmente se o consumidor tentar fazer ajustes no aparelho em movimento e as consequências podem ser ferimentos graves”. “Esses problemas representam um risco real no uso do produto para o consumidor, crianças e animais domésticos”, alerta o engenheiro elétrico Marcos Pó, assessor técnico do Idec e responsável pela pesquisa. ”

Fonte: https://idec.org.br/em-acao/em-foco/ventiladores-tem-problemas-de-seguranca-revela-teste-do-idec

Com isto, o Inmetro atendeu estas avaliações e tornou compulsório a Portaria n.º 20, de 18 de janeiro de 2012. Desta forma, todos os ventiladores de mesa, parede, pedestal, circuladores de ar ou aparelhos comercializados para este fim, deverão obrigatoriamente passar por um processo de certificação.

O fabricante ou importador deve solicitar para um OCP, como a NCC e dentre várias informações, os produtos deverão passar por testes de segurança e desempenho térmico.

Para segurança vejam os testes que os ventiladores devem atender:

  • Marcação e Instruções;
  • Proteção contra o acesso às partes vivas;
  • Potência e corrente absorvida;
  • Aquecimento;
  • Corrente de fuga e tensão suportável na temperatura de operação;
  • Sobretensões transitórias;
  • Resistência à umidade;
  • Corrente de fuga e tensão suportável;
  • Proteção contra sobrecarga de transformadores e circuitos associados;
  • Funcionamento em condição anormal;
  • Estabilidade e riscos mecânicos;
  • Resistência mecânica;
  • Construção;
  • Fiação interna;
  • Componentes;
  • Ligação de alimentação e cordões flexíveis externos;
  • Terminais para condutores externos;
  • Disposição para aterramento;
  • Parafusos e ligações;
  • Distâncias de escoamento, distâncias de separação e separação sólida;
  • Resistência ao calor e ao fogo;
  • Resistência ao enferrujamento;
  • Radiação, toxicidade e riscos similares.

Quando os ventiladores possuem diâmetros das hélices inferiores a 26 cm, estes não passam por ensaios de eficiência energética, sendo assim você pode procurar uma etiqueta como estas abaixo, garantindo que seu produto passou pelos testes citados acima:

Se caso o ventilador possua o diâmetro das hélices iguais ou superiores a 26cm (vinte e seis centímetros), com uma tolerância de 1cm (um centímetro) para menos, ou iguais e inferiores a 60cm (sessenta centímetros), com uma tolerância de 1cm (um centímetro) para mais, eles devem atender os quesitos de segurança e eficiência energética, desta forma, procure a etiqueta ENCE conforme modelo abaixo, ela vai fixada ao produto:

Veja que a etiqueta ENCE mostra a avaliação de desempenho é feita por tipo velocidade, apresenta-se também o consumo de energia em kWh/mês, a eficiência energética, vazão (quanto de ar é ventilado por m3/s), diâmetro da hélice, diâmetro da grade.

Isto tudo é avaliado pelos profissionais da NCC que indicam aos fabricantes/importadores quais os dados corretos devem ser inseridos na etiqueta além de toda avaliação técnica no produto conforme determinado na portaria.

Caso esteja interessado em adquirir um ventilador é importante você avaliar e comparar esta etiqueta para obter o ventilador mais adequado. Sabendo que seu produto possui uma das etiquetas acima, você está garantindo a sua segurança e de sua família, além de uma melhor eficiência energética.